29 de janeiro de 2010

Combinação de remédios e automedicação oferecem riscos à saúde

     Os avanços na indústria farmacêutica colocam todos os anos novas fórmulas no mercado. Levada pela ingenuidade, pela indicação de outras pessoas ou por experiências anteriores, grande parte da população pratica a combinação de diversos medicamentos, na busca de sanar as dores e enfermidades.
     Representando um dos grupos que correm mais riscos, a maioria dos idosos consomem cinco ou mais medicamentos por dia, o que aumenta dos riscos de combinação perigosa. De acordo com a farmacêutica Vivian Poppi, gerente técnica da área de medicamentos da Secretaria de Saúde (SES-MS), o problema reside nas decisões de cada um.
     "As interações mais perigosas ocorrem pela ingestão de medicamentos não prescritos. Muitas vezes, algo tido como inofensivo ou natural, como chás e compostos de ervas e raízes, podem combinar com a medicação prescrita e apresentar reações adversas", comenta Vivian.
     A farmacêutica explica que, quando é necessário tomar mais de uma fórmula simultaneamente, o médico prescreve os medicamentos em horários alternados, de modo que o organismo consiga sintetizar e não ajam riscos para a saúde.
     "O profissional de saúde é sempre a melhor pessoa para orientar quais medicamentos podem ser tomados. Há casos em que a pessoa está tratando de uma inflamação, e desenvolve uma reação estomacal. E por conta própria, toma um antiácido, sem sabe se aquilo não irá afetar o tratamento", afirma a gerente técnica da SES.
     As pessoas que fizerem algum tipo de combinação medicamentosa e sentir qualquer reação, podem procurar o setor de farmácia dos postos de saúde, a Vigilância Sanitária ou ainda comunicar à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), via internet, sobre o caso, pelo site www.anvisa.gov.br

       Automedicação
      "Para dor de cabeça, é melhor este remédio. Se a dor for no estômago, tome este. E para curar reumatismo, esta fórmula é infálivel". Por conta de comportamentos deste tipo, a automedicação se torna um problema de saúde pública.
     Ao tomar um remédio por conta própria, o organismo pode reagir de maneira diferente da esperada, causando complicações à saúde do paciente. Entre os problemas mais comuns, estão a hipersensibilidade (desenvolvimento de alergias a compostos da medicação), a criação de barreiras de resistência pelo organismo – o que dificulta ou até impede a cura – e a dosagem inadequada.
     "Qualquer fórmula só deve ser administrada sob prescrição médica. Quando não for possível entrar em contato com o profissional, procure um farmacêutico e informe os sintomas apresentados. Jamais tome qualquer medicamento, por mais inofensivo que possa parecer. Mesmo remédios já prescritos anteriormente podem não funcionar no momento, podendo inclusive prejudicar a saúde", alerta Vivian.
 

Visitantes que já leram este artigo:

1 comentários:

mayla disse...

a combinação de remedios como: carbamazepina, fenitoina, clonazepam, nitrazepam, acido valproico,sertralina, usados no caso de pessoa com mioclonia, tem algum problema? não sei o que fazer, meu marido toma todos eles e mesmo assim quase não dorme e esta cada vez mais agressivo, alguem pode me responder....ka.vaz@hotmail.com.
att; Erika Vaz.

Postar um comentário

Gostou do que encontrou aqui?
Comente este artigo que acabou de ler.
- Se o seu comentário for relacionado ao post, tenha certeza de que o leu.
- Se precisa de ajuda, procure deixar o máximo de informação possível.
- Todo comentário obsceno, ilegal, ofensivo, escrito todo em maiúscula, contendo gírias em excesso ou estritamente publicitários, serão "apagados".
- Somente inclua links no comentário se ajudar a explicar o seu comentário.
- Não peça para adicionar ao MSN.
- Spam não será tolerado.

 

©2009 Navegando e Aprendendo com a Enfermagem | Template adaptado de TNB

Web Statistics